O Dia a Dia do nosso Dia.

quarta-feira, março 28, 2007

Trabalhar...

O fenómeno do trabalho é capaz de ser o mais cómico em todas as sociedades, é engraçado é a definição e o impacto que a palavra trabalho tem na nossa sociedade, alguém acha que a palavra "trabalho" transmite algo de positivo? não pois não?
E isto não é de agora, vem dos tempos mais inocentes de infância.. eu lembro de estar de férias com a minha familia toda e quando as ferias ja estavam a acabar lembro me de ouvir o meu pai e a minha mãe: "opa!amanha ja temos de ir trabalhar!", queria tanto ficar aqui mais uns dias.. e eu pensava: "fogo o trabalho deve ser mesmo mau, quando for grande não quero trabalhar, para estar sempre de férias", se na altura pensava assim, agora penso da mesma maneira mas de uma maneira mais adulta.. ou seja:

" fogo o trabalho deve ser mesmo mau, quando for grande não quero trabalhar, para estar sempre de férias, num sitio onde me façam tudo eu não faça nada que me paguem bem só por ali estar a olhar para o mar, isso sim é um trabalho!"

A palavra trabalho tem um impacto negativo porque trabalhar dá uma trabalheira. O mais estranho é que as pessoas quando estão de férias não percebem uma coisa, se as pessoas gostam de ir para o Algarve (custa me.. mas eu aceito) e não gostam de abandonar as praias algarvias para ir para o escritório tem bom remédio, quer que alguem vos pague para fazer banhismo? querem? então vão para "nadadores salvadores" é essa a profissão que toda a gente vai querer ter neste verão! é essa a profissão perfeita para um Português, não fazer nada, mas dar ar de quem faz alguma coisa.
O mais estranho é que agora com a falta de emprego toda a gente quer trabalhar, neste momento portugal tem uma sociedade trabalhadora e com vontade de trabalhar! ( também conhecidos como desempregados), que são os únicos em Portugal que querem mesmo trabalhar, tem vontade,e precisam de trabalhar, o resto acha que o trabalho é uma mera obrigação quatidiana.

segunda-feira, setembro 04, 2006

Está calor.

Era só isto.

quinta-feira, agosto 31, 2006

"Faz de conta"

Foi durante as minhas férias que aprendi um jogo complicado com crianças de apenas 7 anos de idade, estava a ver a pequenada brincar, quando um dos infantes diz:
"Estou farto de jogar à bola vamos jogar ao faz de conta!" (disse guielhermino indigando!)
Bem vamos parar para pensar durante 2 segundos, já está! como é que se brinca ao faz de conta? quem é que com 7 anos de idade quer fazer de conta? e depois o próprio nome do jogo é muito vago.. não diz se é uma conta de restaurante, se é um relatório de contasm se é de somar ou de multiplicar, ou seja aquela malta quer fazer de conta de várias maneiras possivéis e imaginárias! como é que se faz de conta:
"vá eu faço de 10, e o luisinho de sinal mais, e a filipa de 8, ohh! faltam duas pessoas! quem é que vai fazer de sinal de igual?!"
Caros leitores pode ser um jogo mesmo complicado pensei, e imaginem se isto é levado para um nivél superior e alguém se lembra de fazer de conta de restaurante?
Alguém já reparou numa conta de restaurante? aquela desorganização? aqueles números escritos numa folha cheio de molho da comida do almoço, aqueles números azuis muito compridos e pontiagudos e depois aquelas virgulas todas! o que mais me assusta ainda numa conta de restaurante é a "prova dos nove" já viram que chama se prova dos 9 mas há sempre oito que se baldam!? é que só um que a faz! e agora vejamos se em 9 só um é que a faz como é que podemos ter a certeza que aquele que a fez é o mais intelegente e que o resultado está correcto.?
eu não sei responder perguntei à pequenada que eles é que andam aí a fazer de conta!




Agradecimentos ao pessoal do hospital psiquiátrico que me ajudou a compôr este texto, especialmente ao Hélder, que foi ontem diognisticado de doente psicoimaginativo que saiu ontem da ala C do hospital Júlio de Matos, e que 30 mintuos depois deslocou se imediamente para o corredor central H, da penitenciária de lisboa.
A todos esses grandes malucos um muito obrigado!

Regresso às aulas e ao blog.

È com os braços abertos que assumo novamente o controlo sobre o blog. Devem ter reparado que o meu regresso coincide com a época a que os adultos gostam de chamar de: "regresso às aulas", e era exactamente sobre isso que queria falar aqui hoje, para quê todos os anos levarmos com a chinfrinada de publicidade sobre material escolar? em cada esquina há um anuncio, invadem-nos a caixa do correio, é na televisão, é entre as páginas dos jornais, parou! Alguém já parou para pensar para quê tanta correria? estão assim com tanta vontade de trabalhar? é que parece que se acabam as férias e ninguém está muito preoucupado porque em Setembro vai ter uns lápis de cera novos! não pode ser assim, não pode! e depois temos aquela correria toda: é livros, é cadernos, lápis, canetas, tudo a comprar as coisas á pressa, mas será que vão precisar disso tudo no primeiro dia de aulas?!
Em portugal há pessoas que pensam que o material escolar só está disponivel nesta altura do ano! ou nunca vos aconteceu precisar de uma caneta azul e ter de levar para casa um caixa com três? claro: "é melhor criarmos caixas com três canetas azuis, pois alguma ainda se estraga, e depois durante o ano não se vende canetas azuis porque o regresso ás aulas é só nesta altura do ano! "
As pessoas em Portugal pensam que o material escolar é como a fruta: porque só existe numa altura especifica do ano e estraga-se com facilidade se não a conservarmos como deve de ser!

Bem comprem lá as coisas com calma e bom regresso às aulas!

sexta-feira, julho 28, 2006

Boa notícia.

Tenho uma óptima notícia para todos os leitores deste blog.
Eu André Cruz vou de férias, e vou estar ausente por tempo ilimitado, mas mesmo assim vou tentar fazer um post por semana (peço desculpa mas tem de ser), o blog não vai estar "encerrado para férias" mas sim "volto já" (sendo o tempo de espera ainda por definir), claro que roubei a ideia ( a do "volto já" não! mas a do "volto já" com tempo por defnir sim, uma vez que o "já" em portugal é daqui a meia hora)Sabem aquelas lojas de conveniência tão típicas no nosso Portugal?, aquelas lojas em que se vê perfeitamente que a loja está fechada, ou completamente abandonada, olhamos para o papel que diz: "Volto já" e reparamos que já está queimado de estar ali ao sol, perdeu a cor. É mais ou menos isso.
Boas férias. Eu Volto já não se preocupem..

quinta-feira, julho 27, 2006

Caro (ou barato) senhor Anônimo.

Este post é uma palavra de apreço para com o senhor anônimo que me tem ajudado através das sua participalão neste blog.
Senhor anônimo em primeiro lugar queria lhe dizer que não gosto de admiradores secretos, muito menos se forem homens, agora estou a pensar.. e reparo que eu não sei se este post é dedicado a um senhor ou a uma senhora anônima (que irresponsabilidade da minha parte, primeiro dou muitos erros, e agora não sei distinguir o sexo do senhor anônimo!), uma coisa tenho a certeza trata-se de um admirador secreto!
Já não é a primeira vez que me ajuda nos posts, "este está mal, este está menos mal, este tem erros, este fala sobre cães."
Queria lhe pedir desculpa se o último post dos cães o/a ofendeu, se sim, foi sem intensão eu não sou racista, se o senhor anônimo for um caniche eu não levo a mal, era só um post a tentar ter piada, e ao falar de cães por mais incrivel que pareca não me referia a si.
Agora todos os dias vou tentar postar coisas realmente com graça! o senhor anônimo fez me ter uma nova visão da vida! fez me olhar para o futuro e saber que ainda tenho muito para aprender, uma das coisas que aprendi consigo foi que neste país quando queremos dizer mal nunca podemos dar a cara! obrigado!
Espero que o senhor anônimo continue a comentar o meu blog! e ajudar-me no meu dia a dia.
Obrigado por tudo senhor anônimo estou a espera do seu próximo bilhete.

domingo, julho 23, 2006

Cuidado com os chapéus de praia.

Faço aqui um aviso a todos os utentes de qualquer comunidade balnear em Portugal:
Cuidado com os chapéus de sol, se estes não ficarem bem enterrrados no chão vão certamente voar contra alguém, não se esquecam que é perigoso!, e ser acusado de homicídio involuntario, é uma perfeita estupidez, ou se mata ou não se mata. "ahhh foi sem crer, eu não cria" não queremos cá coisas dessas.

O problema dos chapéus de praia, abrange áreas como a solidão patrimonial, de facto se repararem os chapéus de sol só voam quando são as mulheres a enterrar o chapéu. Se uma mulher não vem acompanhada, quem vai enterrar o chapéu? È muito fácil distinguir um chapéu enterrado pelo um homem e o chapéu enterrado pela mulher, o da mulher é o que está a voar na sua direcção.
Eu compreendo o ponto de vista do chapéu de sol, ponham-se no lugar dele, não! não na mala do carro (sitio oficial de transporte do chapéu de sol em qualquer carro)! O facto é que o Chapéu de sol é o oposto dos portugueses, porque o chapéu de sol só trabalha no verão, deve ser essa a razão que explica o porquê de o Portugues não saber enterrar o chapéu, depois outra coisa já viram o que é estar fechado numa capa de plástico o ano inteiro ? aquele capa plástica que serve para "proteger o chapéu", ouçam o chapéu já serve para nós nos protegermos do sol, voçês só usam aquilo no verão! tá sempre em casa! nem apanha sol, nem chuva nem nada!, para vocês não basta é perigoso aquilo ainda se estraga!? ah! "a humidade! vamos pôr lhe uma capa de plástico!senão daqui a 32 anos temos de comprar outro chapéu" ouçam: o chapéu só se estraga, e só se gasta quando voa pela praia! quando vocês se esquecem de enterrar bem o chapéu.
Eu sei que o post fala basicamente sobre "nada" e se vocês vêm televisão portuguesa já devem estar um bocado fartos do tema, mas pronto boa praia e vejam lá se enterram o chapéu!

quarta-feira, julho 19, 2006

"Bush diz merda com o microfone ligado."

"Bush diz merda com o microfone ligado."
O facto de Bush dizer merda com o microfone ligado não me espanta, uma vez que este, em todos os discursos que já fez "está sempre a dizer merda" mas de uma forma subentendida, pela primeira vez o presidente Bush foi sincero, e não o podemos culpar por isso. Por isso Bush se estás a ler isto continua lá com as tuas "merdas", que a malta desde à muito que está habituada.